O QUE É CANDIDÍASE?

O mal conhecido como candidíase é a infecção causada pelo fungo Candida, o Candida albicans que afeta áreas do organismo humano, como a pele, as unhas, a garganta, a boca, a corrente sanguínea e os órgãos genitais. O número maior de casos está concentrado entre os indivíduos do sexo feminino.

O fungo causador da candidíase vaginal já existe, de maneira natural, no corpo feminino. Normalmente, ele convive de maneira harmônica e equilibrada com a flora vaginal. Ainda assim, há fatores que podem colaborar com a desestabilização da situação, proporcionando a reprodução do fungo de modo exacerbado. Tal condição promove o surgimento dos sintomas da patologia.


Fatores de risco

Existem hábitos praticados ao longo do dia a dia que aumentam o risco do espalhamento do fungo Candida albicans pelo organismo e, com isso, levando ao diagnóstico da candidíase vaginal. Um deles é o uso de antibióticos. Uma vez que a microbiota vaginal é formada por diversas bactérias, algumas delas são aliadas e colaboram com a contenção dos microrganismos nocivos. Entretanto, o uso indiscriminado dos antibióticos pode causar a morte de bactérias saudáveis. Nesse meio “desprotegido”, o fungo da candidíase vaginal pode se manifestar e crescer em demasia.

Outro fator de risco é o aumento dos níveis de estrogênio, já que as infecções fúngicas acontecem em maior frequência em mulheres dotadas de tal característica, como, por exemplo, as grávidas ou aquelas que realizam terapia hormonal.

Há, ainda, outros fatores, como: consumo excessivo de carboidratos, uso de roupas úmidas, baixa ingestão das vitaminas e nutrientes adequados, alto nível de estresse, uso de drogas e sexo sem proteção. Nesse último caso, há que se ressaltar que a candidíase não é considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), mas pode ser passada por meio do contato sexual, sobretudo para as genitálias e a boca.

Sintomas

Um dos principais sintomas da candidíase vaginal é um corrimento esbranquiçado, porém, existem outros. Alguns deles são: dor, vermelhidão e coceira na área vaginal e relações sexuais dolorosas.

O diagnóstico é iniciado através do histórico da paciente. Ou seja, são verificados quadros passados, como ocorrências de infecções vaginais ou DST’s. Em seguida, o procedimento adotado é a realização de um exame físico, no qual o ginecologista utiliza um espéculo para visualizar melhor a vagina e o colo do útero. Na ocasião, podem ser colhidas amostras do corrimento, para fins de análise em laboratório.

Tratamento

Para se tratar a candidíase vaginal de maneira satisfatória, é necessário o emprego de pomadas antifúngicas adequadas ou, ainda, medicamentos antimicóticos de uso local. Quando o quadro é recorrente, é possível que o médico indique drogas orais.

Práticas comuns no cotidiano podem colaborar, como mudanças na alimentação, abandonar o fumo e as bebidas alcoólicas, manter a hidratação em dia e evitar roupas quentes, apertadas e úmidas.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo